Tire sua Máscara!

19 08 2010

Texto Base 2 Reis 5.1

“Temos todos a tendência de expor na  vitrine coisas melhores que as que  temos em estoque nas prateleiras, e  exibir amostras mais bonitas que o  material que podemos fornecer em  quantidade. Somos tentados a vestir no  domingo uma roupagem religiosa que,  com certeza, não usamos em casa ou no trabalho.” F. B. Meyer

Como disse o escritor e missionário Stanley Jones: “O maior inimigo do cristianismo não é o ateísmo, não é o budismo, não é o hinduísmo, não é o islamismo, não é o materialismo, não é o romanismo, e nem o espiritualismo, mas sim o subcristianismo, que é o cristão de duas vidas.”

Introdução

A Bíblia pode ser comparada a um espelho, se quisermos saber se está tudo bem conosco é só mirarmos na Palavra de Deus, ao invés de ficarmos pedindo conselhos diversos, devemos ir direto a Deus.

1- Por fora Bela Embalagem

Em um livro do Pr. Jorge Linhares ele conta a história de um casal, que ele estava hospedado na casa deles. E lá ele ficou impressionado com o carinho dos dois, chegou até a invejá-los. Mas em determinado momento a mulher chamou o pastor e confessou tudo, era tudo uma farsa, só para impressionar o pastor. Esse casal era bem ao contrário do que parecia.

Deus não suporta a hipocrisia, nem a mentira, e nem o engano.

O grupo a quem Jesus tratou com maior severidade foram os fariseus, exatamente porque exibiam por fora o que não eram por dentro. Em Mateus 23. 25 e 27 Jesus bate firme chamando-os de hipócritas.

“Hipócrita” tem sua origem no termo grego usado para máscara – artifício que os atores usavam quando entravam em cena.

Se nós estamos vivendo uma farsa, se nossa vida é uma hipocrisia, precisamos coragem para procurar ajuda. Não podemos deixar os outros continuarem pensando que somos o que na verdade não somos.

Deus quer que sejamos livres da hipocrisia. E só no Espírito Santo pode libertar nos de viver uma vida dupla.

2- No Palco… Os aplausos!

Todos nós somos tentados a exibir diante os de fora um “traje” espiritual que, com certeza, não usamos dentro de casa, quando em presença apenas dos familiares.

Era o caso de Naamã, comandante do exército da Síria, nação mais poderosa da época.

Naamã chegou aonde chegou “… porque por ele o Senhor deu vitória a Síria” 2 Reis 5.1.

A história está cheia de reis poderosos, mas Deus fez questão de registrar o drama de Naamã.

Os Heróis só são reconhecidos depois de mortos. Mas com Naamã foi diferente, consagrou-se herói em vida. Todos o admiravam, ele chegava em devido lugar, e era o centro das atenções.

Ao Julgarmos pela aparência de Naamã (que hoje em dia é o que mais acontece, julgamos as pessoas pela aparência, nível social e etc.) Jamais alguém diria que ele vivia um grande dilema, “ … era ele herói da guerra, porém…” havia um “porém” na sua vida.

Para os de fora Herói.

Para os de casa, Leproso.

Por detrás da farda de comandante, as feridas, que o impedia de usufruir muitas vantagens que sua posição de herói lhe dava.

Herói, porém leproso.

Ai a história muda toda.

Naquela época a lepra era vista como a AIDS é hoje, eles ficam isolados.

A situação de Naamã era como a de um aidético hoje: Isolamento, liberdade restringida, limitações impostas as suas ações.

Hoje com medicamentos teme-se ao leproso, imagine aquela época, sem a medicina de hoje.

Como Naamã, todos nós temos um “porém” quando alguém fala de nós, fala assim “Fulano, é boa pessoa, porém…”

O porém de Naamã afetava e muito a sua vida, seu convívio social.

3- Lá nos Bastidores…

No versículo 2, fala de um dos textos mais lindos sobre missões. Essa garota era empregada na casa de Naamã, sem direito a nada.

Longe da família, sem qualquer perspectiva de futuro, nem por isso deixou de praticar missões. E ela foi vendo a vida que Naamã vivia, fora, Herói e dentro de casa leproso, Naamã vivia duas vidas.

Naamã levava uma vida sofrida dentro de casa, sem contatos com esposa, filhos, amigos… porque o risco de contágio privava de expressar seu carinho.

Logo que alguém entrava em sua casa, a palavra de ordem era: “Mantenham Distância.”

Era muita humilhação.

A lepra que escondemos cria distância entre nós e nossos entes queridos.

“Se esse homem fosse se avistar com o profeta Eliseu em minha terra, na certa ficaria curado”, pensou a garota.

A resposta de Naamã estava em Israel. Seu maior desejo era levar uma vida normal, sem se esconder.

Ai a garota fala para a esposa de Naamã no versículo 3 que teria um profeta em Samaria que restauraria Naamã de sua lepra. E logo a mulher corre animada e conta tudo para o marido.

Disse pra Naamã que ele já havia tentado de tudo, e que valeria a pena ir até lá.

Naamã devia ter excelente salário por ser um comandante de um exército vitorioso. E realmente deve ter tentado de tudo para se curar.

Naamã nem procurou saber melhor a respeito do profeta, e foi logo contando para o rei, que havia uma esperança.

E no versículo 5 o rei fala pra ele ir, e manda uma carta para o rei de Israel, que o tinha vencido no confronto.

4- Bater em porta Errada

Então Naamã chega em Samaria e procura o rei de Israel. Sua chegada certamente alvoroçou a cidade, com a notícia da presença do herói sírio, que os havia vencido.

O rei de Israel lê a carta e fica irritado, rasga suas roupas, achando que o rei da Síria tinha arrumado um pretexto para romper o acordo, e recomeçar a guerra. Aqueles que desconhecem o poder de Deus antevêem o pior. O rei de Israel pré-julgou os motivos do rei da Síria, achando que era ele que iria curar a Naamã. Se Naamã voltasse sem a cura, aconteceria uma nova guerra entre as duas nações.

Notícia vai, notícia vem, e chega aos ouvidos de Eliseu.

E Eliseu manda Naamã vir até ele. (5.8)

E no meio da confusão alguém diz para Naamã, “Ei! Você bateu em porta errada.”

Que situação! Estar no país de inimigos, sem saber o que fazer.

Ele bem que pensou “Porque fui dar ouvidos a uma escrava natural deste país…”

E o rei de Israel se acalma e da o recado de Eliseu, e fala pra ele ir até a sua casa.

Não restou outra alternativa, foi procurar alguém que nunca viu.

Chegando lá o mensageiro de Eliseu o avisa de sua chegada. E Eliseu manda recado para o mensageiro que é para Naamã mergulhar-se sete vezes no rio Jordão e iria ficar limpo da sua lepra.

O mensageiro ficou confuso com o que disse Eliseu, uma pessoa tão ilustre e o profeta se nega a recebê-lo

Era o cúmulo do vexame, do ridículo!

Naamã era uma autoridade, acostumado a ser bem recebido.

Naamã além de irritado sentiu-se profundamente humilhado, além de receber uma ordem, ela vem de terceiros. LER v. 11, 12

O próprio Naamã tinha consciência que Deus poderia curá-lo sem ter que se expor:

“Por que não pode ser nos rios de minha terra? Longe dos olhares curiosos, eu poderia ir só.”

Sobe na carruagem e decide ir embora.

A ordem de Deus para Naamã é simples, porém tinha um preço:

“Tire todo esse aparato, medalhas, condecorações. Exponha o seu mal. Deixe aparecer as feridas.”

Esse é o maior desafio de Deus, fazer o homem tirar sua máscara para curá-lo.

Além de não obedecer à orientação do profeta, ele começa a fazer uma análise da situação sob sua própria ótica. Antes de obedecer já começa a questionar.

Muitas vezes é assim que agimos, Deus nos dá uma direção e vamos para outra, não obedecemos, queremos seguir nosso conhecimento limitado, ao invés de seguir a vontade de Deus que é o melhor pra nós.

5- Deixando cair a Máscara

Diante de uma ordem tão sem nexo, absurda mesmo, Naamã decide ir embora. Mas quem deu a ordem era um homem que não se deixava impressionar com as aparências, Eliseu enxergava além das vestes festivas.

Naamã estava leproso e a ordem era aquela mesma. O profeta sabia o que estava fazendo, e agia com poder e autoridade de Deus.

Naamã tomou a estrada de volta, mas o profeta não saiu correndo atrás dele, mas quem tentou fazer com que ele volte, foi um de sua comitiva, que o tratava de “meu pai” que disse a ele (v. 13).

O que o profeta disse foi tão simples, mas por que Naamã se opôs em acatar a ordem? Porque contrariava suas expectativas. Além de não poder usar nenhuma de suas roupas de festas, teria que tirar seu traje de herói, ali, na frente de todos. Pois, como mergulhar com farda e tudo? Achariam o louco. Isso seria expor sua lepra perante todos. Apareceria então o verdadeiro Naamã – um herói nacional, porém leproso. Por isso não quis obedecer a orientação, porque iria exibir a todos.

Naamã brigou com si mesmo, ele tinha que sair curado dali, mas ao mesmo tempo tinha medo de se expor aos outros mostrando a sua lepra, pois herói não tem defeito. E logo no rio Jordão que eram águas muito sujas.

E Naamã foi tirando suas vestes na frente de todos, imagino que antes eles o invejavam, mas depois de Naamã ali expor sua lepra, muitos devem ter-se decepcionado.

Tanto esforço para ver um herói nacional, e vejo um leproso? Devia ser esse o pensamento de muitos lá. Sua reputação foi a zero. Que situação humilhante para Naamã.

Mas a obediência produz milagre.

E Naamã mergulha uma, duas vezes. Olha para o corpo e as feridas ainda ali.

“Se depois de todo esse vexame eu não ficar curado, eu mato esse tal de Eliseu”, Naamã devia ter pensado. Mas continuou o mergulho naquelas águas sujas.

Enfim Naamã dá o último mergulho – o sétimo (sete número da perfeição). E vai saindo devagar e olhando seu corpo maravilhado, uma pele jovem agora.

Naamã quase deixou escapar aquela vitória. Por medo de deixar cair a nossa máscara, não podemos ser curados.

6- Ser um Só!

Naamã entra “imundo” na água suja e sai “limpo”.

Naamã encontra com Eliseu e insiste em lhe dar um presente. Mas Eliseu responde (v. 16):

“…tão certo como vive o Senhor em cuja presença estou, não o aceitarei”.

Naamã insiste em pagar pelo benefício recebido, como se fosse possível pagar a Deus um bem que ele nos faz.

Deus não está interessado em nossos bens nem em nossa conta bancária. Tudo que Deus faz, ele faz graciosamente. Nada que façamos nos torna merecedores de seu favor. (Salmos 103.2)

Naamã tirou o que lhe cobria a lepra, não poderia mergulhar com roupa de herói. Deus deseja isso de nós.

É preciso que tiremos a roupa para que a doença apareça. Não a doença visível a todos, mas aquele mal escondido sob a fachada religiosa que mantemos diante de todos, e que os faz pensar que somos o que não somos. Deus quer nos tratar, nos livrar dessa hipocrisia.

Em Mateus 8.2-3 Jesus curou dez leprosos, mas só um voltou para agradecer, e que o fez não só experimentar a cura exterior, mas também a do coração, interior. (Lucas 17.11-19)

Todos nós enfrentamos situações em que somos tentados a passar uma imagem falsa do que somos. Mas Deus nos quer limpos.

Infelizmente, muitos que se dizem convertidos vivem vida dupla. Na igreja são uma benção. Na faculdade, no trabalho, vivem nas rodas contando piadas imorais. Gostam da pornografia, da imoralidade, são maus pagadores, dão cheque sem fundo um atrás do outro. O nome nem está mais no S.P.C., já foi parar no fichário do inferno. Estão-se acostumando a levar duas vidas.

Outros são educados, verdadeiros cavalheiros na rua, mas em casa são grosseiros com a esposa e tiranos com os filhos. Com os de fora alegres e sorridentes, com a família, carrancudos e mau humorados. Passam uma imagem, mas por trás…

Precisamos romper com a hipocrisia, precisamos ser um só, tanto para os de dentro como para os de fora.

Naamã volta um novo homem, e pede a Eliseu um pouco da terra de Israel para sobre ela adorar o Deus do profeta (v. 17). Dali pra frente, o Senhor seria o seu Deus.

Agora Naamã não tinha mais o que esconder, estava estourando de alegria, todos podiam vê-lo. Podia abraçar os filhos agora, beijar a esposa, podia tomar sol e etc.

O Sangue de Jesus foi derramado por nós, para nos purificar da lepra. Só o seu sangue torna o “imundo” totalmente “limpo”.

Só o Jordão resolveria o problema da vida dupla que Naamã levava. Não poderia ser outro rio, como não pode ser outro sangue.

7- Os sete erros de Naamã

Em sua trajetória em busca da cura, Naamã comete sete equívocos, bastante comuns àqueles que desejam a solução de Deus para o seu mal.

1. Procura o rei da Síria, que de Deus não entendia nada. Muitos são os que agem como Naamã fez. Sabem que devem ir direto ao Rei, o Senhor Todo-Poderoso, mas procuram primeiro o socorro do homem. Têm consciência do caminho certo onde se encontra o Rei dos reis, mas não vão a ele. Procuram alívios temporários a soluções permanentes.

Na ansiedade de vermos o nosso problema resolvido, até mesmo nós que conhecemos a verdade não buscamos em Deus a solução. Deixamos Deus de lado e buscamos auxílio de pessoas que não o conhecem.

2. Achar que o dinheiro compra tudo, inclusive a cura. Naamã desconhecia o fato de que a cura divina não depende de qualquer recurso financeiro. Já foi prevenido, levou ouro e prata no caso de cura, serviria para pagar.

Nenhum esforço humano ou dinheiro do mundo pode comprar a nossa cura.

3. Visão errada de como Deus atua. Naamã não entendia a forma de Deus agir na vida do homem, porque não o conhecia.

4. Insiste em procurar a pessoa errada. Chegando a Israel, ao invés de ir direto ao profeta, vai falar com o rei, que não tem a menor possibilidade de atendê-lo.

5. Espera ser recebido como herói pelo profeta, quando deveria chegar ali com a atitude de um necessitado.

6. Atreve-se a questionar a forma de Deus agir, tomando por base sua linha de raciocínio. Quer ser curado a seu modo.

Começa a fazer uma análise da situação sob sua própria ótica. Antes de obedecer já começa a questionar.

7. Deixa-se dominar pelo orgulho e quase perde a benção da cura. O orgulho de Naamã poderia ter-lhe custado muito caro, porque “Deus resiste ao soberbo…” (Tiago 4.6)

Conclusão

Os Leprosos na Igreja

“A máscara, se lhe dermos tempo, passa a ser o próprio rosto.” Marguerite Yourcenar.

Para cada um de nós chega o dia em que temos de tirar a roupa e nos expor, se quisermos ser curados.

Naamã relutou em aceitar o jeito de Deus agir. Como é doloroso a gente se expor. Pior é continuar levando duas vidas. Deus deseja curar-nos para que consigamos ser tudo que vinhamos tentando ser com nossas próprias forças.

Todos podiam estar enganados a respeito de Naamã. Mas sua esposa e filhos sabiam que era leproso. Só aqueles que convivem conosco sabem quem somos de fato. Precisamos deixar de ser “o grande” e sermos “o servo” para nossa família. Precisamos parar de bancar o herói.

Temos que reconhecer perante os homens que somos pequenos e falhos, para que sejamos grandes aos olhos de Deus.

Acheguemo-nos a Jesus sem vanglória, vamos expor perante ele a nossa lepra, seja ela o que for.

Davi tentou ocultar seu pecado, e isso o fez adoecer, só depois que expôs perante Deus e admitiu que estava “leproso”, experimentou purificação e perdão. (Salmos 32 e 51)

Reflexão

Responda pra você mesmo, qual tem sido a diferença entre você e o ímpio que trabalha, que estuda com você?

Em sua casa você faz as mesmas coisas do que nos cultos dedicados ao Senhor?

Você adora a Deus em todo o tempo? Ou apenas nas poucas horas de culto?

Deus te dá 168 horas por semana, quanto tempo do seu tempo (do tempo que Deus te dá) você tem oferecido a Ele?

Você usa na “rua”, as mesmas roupas que você vai para ir os cultos?

Você deveria vestir na rua as mesmas roupas que usa para ir aos cultos. Muitas mulheres quando estão no seu dia a dia, vestem roupas que mostram a sua sensualidade, talvés não a usariam para ir ao culto, mas por que? Por que está indecente, mas por que ainda colocam essas roupas? Mas hoje em dia nós vemos muita sensualidade na Casa do Senhor, estamos levando as roupas que usávamos nas baladas mundanas para dentro da Igreja do Senhor. Não deveria ser o contrário? Já que estamos na contra mão do mundo, ou pelo menos tínhamos que estar.

Deveríamos implantar os padrões do Céu a terra. Não estou falando em cobrir todo o corpo, mas sim roupas decentes.

Ou nós vivemos no culto aquilo que vivemos na rua, longe do alcance das pessoas que queremos impressionar, ou vivemos na rua, aquilo que vivemos dentro da Casa do Senhor. Não devemos viver mais nesse mundo de máscaras, onde só queremos ir aos cultos receber uma boa Palavra, cantar uma boa música, e sairmos deste local, porque já virou um local, um convívio social, e sairmos como se não tivéssemos cantado com toda a nossa voz “Eu tenho um chamado jamais vou me calar…”

Quer ter uma transformação de vida? OBEDEÇA AO SENHOR!

Ai você fala, “mas eu esqueço o que o pastor disse…” anote, leva um papel e caneta, nós temos que por em pratica aquilo que ouvimos, pois é Palavra de Deus, mesmo que esqueçamos, temos que nos alimentar espiritualmente, você não se lembra do que comeu semana passada, mas foi importante para te por de pé, e o que te mantém firma na presença de Deus, é o alimento espiritual que é a Palavra de Deus. Nosso coração está fechado com a frase: “Eu sou assim não preciso mudar” então você não sabe o que é conversão, e não sabe o que está escrito em Romanos 12.2.

Hoje em dia é muito fácil falar “sou crente”, mas é muito difícil dizer lá fora, “Jesus te ama”, é muito fácil cantar “Eu quero ser santo…” e chega lá fora, quase arranca pedaço da primeira mulher que vê só olhando.

A Bíblia diz que “o caminho é estreito”, você tem sentido esse caminho estreito, difícil? Ou está bem largo e fácil? Mude de atitude irmão, temos carregado o nome do Senhor em vão, com piadas imorais, com atitudes mundanas, as pessoas podem até olhar pra você e não ver uma carinha de cristão, mas ela tem que sentir algo diferente em você e ver as suas atitudes de cristão.

Nós somos santos, que quer dizer separados, mas como ser separado, se estou rodeado de pessoas mundanas? Sendo diferente de todos eles!

Como quero ser diferente, se não separo aquilo que agrada ao Senhor, e aquilo que agrada ao homem?! Pois enquanto nós quisermos agradar ao homem, desagradaremos a Deus, temos que ser submissos sim, aos nossos líderes, porque isso agrada a Deus.

Jesus depois de ressuscitado apareceu aos dois discípulos, mas eles não o reconheceram, mesmo ele sendo Jesus não o reconheceram, só viram que era Jesus, após terem visto o seu jeito de partir o pão. Foi seu comportamento ali que o fez ser reconhecido. Qual tem sido o seu comportamento diante das pessoas que estão a sua volta para verem Cristo em você?

Conseguimos ser aquilo que somos com quem nós temos intimidade, você tem intimidade com Deus?

Deus agrada da sinceridade, será que sem ter intimidade com Deus, conseguimos ser sinceros?

Deseje mudar de mente, peça a Deus que te transforme, mas não fique parado, tenha atitude, Deus não vai dar um passo se você não der o primeiro. O único caminho para se ter unção, a benção e a intimidade com Deus, é a obediência!

É melhor obedecer do que sacrificar.

A sua vez vai chegar.

“Esperei, com paciência no Senhor, ele se inclinou pra mim, e ouviu o meu clamor” (Salmos 40.1)

“Porque o Senhor corrige o que ama, e açoita a qualquer que recebe por filho.” (Hebreus 12.6)

Oração

Senhor, purifica-nos da lepra que porventura esteja sob as nossas vestes festivas, por detrás da pseudovitória representada por carros, negócios bem-sucedidos, casa luxuosa, mediocridade espiritual, falsa humildade, espiritualidade de fachada, falso moralismo…

Em nome de Jesus, torna-nos limpos uma vez por todas, ainda que tenhamos de tirar a roupa diante de todos aqueles que nos consideram heróis, vitoriosos, espirituais, e permitir que nos vejam como derrotados, leprosos; ainda que tenhamos de “mergulhar” sete vezes diante de todos.

Que o Espírito apresente esse pedido diante do Pai e que o sangue de Jesus seja aplicado à nossa vida, para que haja limpeza completa, para glória do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém.

Por Líneker Costa

Anúncios